Guia Fundamental de SEO para E-commerce 2022: Otimize a visibilidade e as vendas da sua loja virtual

 

Aprenda como fazer seus produtos serem encontrados online no momento em que consumidores em potencial estão procurando por eles com técnicas de SEO para E-commerce. 

 

Neste Guia Fundamental de SEO para E-commerce, mostramos todos os passos que você precisa seguir para chegar ao topo dos resultados da pesquisa orgânica do Google e aumentar a visibilidade, a autoridade e, consequentemente, as vendas da sua loja virtual.

Na Edição 2022, trouxemos ainda algumas novidades como Topical Authority, UX Writing e a Experiência do Usuário, que você vai gostar de conhecer.

Os pequenos e médios lojistas, especialmente, têm muito a ganhar com as técnicas de SEO para E-commerce. No ranking do Google, você pode ultrapassar a concorrência e até competir com grandes marcas, sem precisar investir diretamente nesse espaço de mídia para a sua loja.

No universo do comércio eletrônico, conquistar esse espaço no buscador mais usado do mundo é valioso. Nas pesquisas dos consumidores, eles apresentam diferentes intenções de busca, que demonstram o que ele quer encontrar naquele momento.

Ao longo da jornada de compra, as intenções de busca podem ser informacionais, transacionais, navegacionais ou locais. 

Então, se você entender o que os usuários querem encontrar, conforme as palavras que utilizam nos buscadores, a sua loja pode aparecer com a melhor resposta para o que eles pesquisam, exatamente no momento em que eles precisam dela.

Essa resposta, dependendo da intenção de busca no momento, pode ser o seu produto, a dica que você deu no seu blog, a localização física do seu negócio. O que importa é responder à intenção de busca e entregar o que o usuário quer saber, enquanto o site oferece a melhor experiência de interação e navegação.

Como você vai ver, essa é a base do SEO para Ecommerce. Vamos detalhar tudo isso a partir de agora!

 

Estrutura do Guia de SEO para E-commerce 2022

 

A importância do SEO para Lojas Virtuais 

Cada vez mais as compras passam pela internet. Mais especificamente, elas passam pelas pesquisas no Google, o buscador que é usado para pesquisar desde o preço de um sapato até dicas de como decorar quarto de bebê gastando pouco.

A segunda edição da State Of Search Brasil, realizada pela Hedgehog Digital em parceria com a Opinion Box, mostra isso em dados. Segundo a pesquisa, 67% dos consumidores fazem uma pesquisa no Google ou outros buscadores antes de realizar uma compra em lojas físicas, smartphones e notebooks.

Além disso, 70% das pessoas utilizam o Google para pesquisar produtos para comprar e 47% para efetivamente comprar — além de outros motivos, como pesquisar informações, estudar e trabalhar. Assim, fica claro como o Google é um canal essencial na jornada de compra do consumidor.

Esse comportamento de consumo, cada vez mais voltado para o online, tende ainda a se intensificar. O estudo Market Review, realizado pela Bornlogic em parceria com a Opinion Box, revelou que a frequência de compra pela internet aumentou 71% em 2021 e que 49% pretendem comprar ainda mais no comércio eletrônico em 2022.

Portanto, quem trabalha com e-commerce ainda tem muito espaço para crescer e muitos clientes para conquistar. Com o SEO, é possível impulsionar ainda mais esse crescimento.

 

download do ebook guia fundamental de seo para ecommerce

 

Nem só de SEO vive um e-commerce, e muitos outros fatores devem ser levados em consideração na escolha de uma plataforma para a sua loja virtual. Mas, considerando que boa parte das compras passa por um buscador, o SEO deve ter um peso importante na escolha de uma plataforma de e-commerce.

Pensando nisso, avaliamos as principais plataformas do país em quesitos importantes do SEO para E-commerce e reunimos as notas na tabela abaixo. 

No SEO Técnico, por exemplo, avaliamos se e quanto é possível mexer no código das páginas em cada plataforma. Na Performance, verificamos a velocidade de carregamento, por exemplo.

 

tabela comparativa entre as principais plataformas de ecommerce

Observação: as avaliações acima são baseadas em métricas internas e em mais de 200 projetos de SEO para E-commerce realizados entre as plataformas listadas.

Se a sua loja virtual usa outra plataforma, nossos especialistas em SEO para E-commerce podem fazer uma avaliação para você. Basta entrar em contato conosco!

 

clique para falar com um especialista em seo para ecommerce

 

Os 6 Pilares do SEO aplicados ao Comércio Eletrônico 

Agora, vamos apresentar a você os 6 Pilares do SEO aplicados ao e-commerce. Aqui na Hedgehog Digital, aplicamos essa metodologia em todos os projetos de clientes do Brasil e do exterior. Ao todo, mais de 100 lojas virtuais no Brasil, Reino Unido e Europa já testaram e comprovaram os resultados.

Os pilares que apresentamos a seguir englobam as principais técnicas de otimização de sites para que uma loja virtual chegue ao topo dos resultados de pesquisa orgânica do Google.

Se você utilizou a edição 2021 desse guia, deve perceber que a ordem dos pilares está diferente. Organizamos agora em ordem de execução, e não mais de importância, para que você possa seguir o passo a passo na sua empresa.

 

 

Pilar 1: Planejamento 

“Esqueça as fórmulas mágicas dos gurus!” 

A metodologia do SEO para E-commerce começa com o pilar de Auditoria e Planejamento Estratégico. Não existe fórmula mágica: cada site tem as suas peculiaridades, que você deve analisar para traçar um plano, antes de aplicar as técnicas de otimização.

Nesta primeira etapa, você deve passar pela Auditoria SEO, pelo Marketing & Measurement Plan (plano de marketing e mensuração) e pelo Organic Growth Forecast (projeção de crescimento orgânico). A seguir, vamos explicar cada um desses pontos.

 

Auditoria SEO 

A Auditoria SEO serve para fazer um diagnóstico do site e definir prioridades de otimização. Afinal, os fatores de rankeamento do Google são os mesmos para todos os sites, mas cada um tem uma realidade diferente.

Por isso, a auditoria é essencial para definir as estratégias de SEO em cada projeto. Para executá-la, considere os seguintes pontos:

  • Cenário Atual;
  • Análise Competitiva;
  • Análises Técnicas;
  • Análises de UX;
  • Análises On-page;
  • Análises de Autoridade e Popularidade.

Com o resultado das análises, é hora de estruturar o planejamento de forma que fique claro quais serão as estratégias, táticas e indicadores do projeto.

 

Marketing and Measurement Plan 

O Marketing and Measurement Plan é o plano que sintetiza todas as estratégias, táticas, métricas e KPIs (indicadores-chave de performance) do projeto.

As definições devem ser colocadas em um painel, para que sejam compartilhadas com todos os envolvidos. Veja abaixo um exemplo de como estruturar o plano:

tabela com o plano de marketing dividido por estratégias, KPIs e táticas para acelerar as vendas do seu Ecommerce

As estratégias e táticas são definidas a partir dos objetivos de negócio da empresa. Comece a estruturar o plano fazendo a seguinte pergunta: “Como o SEO pode ajudar o e-commerce X a atingir seus objetivos de negócio?”

 

Organic Growth Forecast

“Em quanto tempo teremos resultados com SEO?”

Sem dúvida, essa é a pergunta que não quer calar nos projetos de SEO. Principalmente no e-commerce, os sites querem ter resultados mais rápidos, mas as otimizações tendem a dar resultados apenas no médio ou longo prazo.

Para reduzir essa ansiedade, utilizamos a metodologia desenvolvida pelos cientistas de SEO da Hedgehog Digital, chamada de OGF (Organic Growth Forecast). Com ela, é possível projetar o potencial de crescimento e até o ROI de SEO, utilizando métricas como volume, pesquisa, taxa de cliques orgânicos e pagos, posicionamento médio, CTR, taxa de conversão e ticket médio.

Na planilha do OGF, que está com novo layout, você pode fazer a clusterização de palavras, que permitem projetar o crescimento com mais precisão. Você também pode isolar a projeção por intenção de busca e estimar o crescimento apenas com Keywords transacionais. Baixe a planilha no banner abaixo.

 RESUMÃO DO BAZON

  • Conduza uma auditoria
  • Defina o planejamento estratégico
  • Estime o potencial de crescimento do tráfego orgânico

 

Pilar 2: Técnico 

“It is all about the Bots”

O pilar técnico também é composto por 3 elementos chave: 

  • Acesso dos bots
  • Semântica do código
  • Performance

 

Acesso dos bots

Rastreamento, renderização e indexação são os três princípios do SEO técnico, de acordo com a forma como os bots trabalham.

Primeiramente, o robô precisa ter permissão para rastrear uma página — e você precisa garantir que a página esteja visível e acessível. Depois disso, o bot renderiza e indexa a página na sua lista, conforme a leitura que ele fizer dela.

Assim, quando um usuário pesquisar no Google por algum conteúdo que aquela página apresenta, ela pode ser acionada nos resultados da busca.

Nesse processo, os seguintes elementos de SEO técnico podem influenciar no acesso dos bots ao site:

  • Robots.txt file
  • XML Sitemap
  • Canonical Tag
  • HTML Language Declaration
  • Crawl Budget Optimisation
  • Menus de Navegação
  • Breadcrumbs
  • Paginação
  • Testes de renderização

 

Semântica do código

Para rastrear, renderizar e indexar uma página, o código-fonte deve ser organizado de maneira adequada. A intenção é facilitar que o robô entenda facilmente o conteúdo da sua página, para que a indexe corretamente e que ela apareça nas buscas certas.

Os seguintes elementos são implementados ou aprimorados nesta etapa do plano:

  • Ordem das tags na
  • Meta Tags
  • Meta viewport
  • Meta Open Graph Tags
  • Twitter Cards
  • Heading tags structure (page by page)
  • Structured Data
  • CSS and JS Externalised
  • W3C Compliances

 

Performance

A performance, terceiro elemento-chave do pilar do SEO Técnico, refere-se à velocidade de carregamento e à segurança da página. São fatores essenciais para proporcionar uma boa experiência ao usuário, especialmente no e-commerce. Afinal, o consumidor digital quer agilidade e confiabilidade para realizar suas compras.

 

Segurança

O visitante de um site quer segurança para os seus dados e a sua navegação. No SEO para E-commerce, a segurança é ainda mais importante, porque os sites lidam com dados sensíveis dos consumidores, como endereço, CPF e cartão de crédito.

Não é por acaso que a navegação segura é uma das métricas de Page Experience, que o Google utiliza para avaliar a experiência que uma página recebe e, é claro, posicioná-la nos resultados do buscador.

Para garantir a segurança do usuário, é preciso instalar o certificado de segurança — o famoso SSL — e utilizar o protocolo HTTPS. Esses elementos garantem a exibição daquele cadeado na barra do navegador, que mostra que a conexão é segura. Além disso, certifique-se de que o código não tenha brechas de segurança como:

  • Servidor sem a função HSTS;
  • Links para páginas sem SSL;
  • Links relativos.

 

Velocidade

Se o consumidor digital quer agilidade, as suas páginas devem carregar rapidamente. Um atraso de alguns milissegundos pode fazer o visitante desistir da compra.

O Google sabe que o usuário tem pressa e criou um conjunto de métricas, chamadas de Core Web Vitals, que medem a experiência de carregamento da uma página. Essas métricas avaliam a velocidade de carregamento, a capacidade de resposta às interações do usuário e a estabilidade visual enquanto a página carrega.

A velocidade, a resposta e a estabilidade de um e-commerce estão diretamente relacionadas à plataforma de vendas. Mas algumas orientações básicas valem para qualquer uma:

  • Compressão de imagens;
  • Utilização de imagens de próxima geração. ou seja, webp;
  • Compactação arquivos HTML, CSS e JS;
  • Unificação arquivos CSS;
  • Unificação arquivos de JS;
  • Utilização correta de uma CDN;
  • Redução do tempo de resposta do servidor;
  • Controle de Cache;
  • Balanceamento de carga;
  • VPS;

 

RESUMÃO DO BAZON

  • Garanta que os bots consigam rastrear, renderizar e indexar sua loja virtual
  • Facilite a vida dos bots organizando a semântica do código fonte
  • Prioridade máxima aos dados estruturados
  • Não se esqueça da segurança (SSL)
  • Invista em performance. Reduza ao máximo o tempo de carregamento das páginas

 

Pilar 3: Conteúdo

O pilar do Conteúdo é um dos mais importantes. Nesta etapa, vamos da pesquisa de palavras-chave à otimização on-page, passando, claro, pelos conteúdos de blogs e afins.

O pilar do Conteúdo é um dos mais importantes. Nesta etapa, vamos da pesquisa de palavras-chave à otimização on-page, passando, claro, pelos conteúdos de blogs e afins.

“Afinal, conteúdo é rei … “

Na Hedgehog Digital, utilizamos uma metodologia que já ajudou dezenas de empresas a criar conteúdos relevantes e conquistar a sua audiência. Seguimos estes passos:

  • Descrições de produtos
  • Textos de apoio para categorias
  • Dúvidas frequentes (FAQs)
  • Blog

 

Pesquisa de palavras-chave

Antes de produzir qualquer conteúdo, comece por uma pesquisa de palavras-chave. Para isso, é de suma importância entender sobre a intenção de busca dos usuários. São 4 os tipos de intenção que devemos considerar:

  • Informacional;
  • Comercial;
  •  Transacional;
  • Navegacional.

Se você quiser entender melhor cada uma, consulte nosso Guia Fundamental da Intenção de Busca.

As palavras-chave revelam as intenções que estão por trás de cada pesquisa dos usuários. Com uma boa pesquisa de palavras-chave, você pode descobrir o que realmente os usuários estão querendo encontrar e como você pode otimizar o conteúdo para que eles encontrem nas suas páginas o que desejam.

Uma vez definidas as palavras-chave, é hora de relacioná-las com as páginas a serem otimizadas. Para cada página, deve ser definida uma keyword principal, uma secundária, semanticamente relacionadas (LSI) e complementares, como você pode ver na planilha abaixo.

 

Planilha de dossiê com keyword planner a ser aplicado na otimizacao do seo para ecommerce

A partir da definição das keywords para cada página, é hora de preparar a otimização dos elementos on-page. Para isso, utilizamos o Dossiê On-page, como você pode ver no exemplo abaixo. Nesta planilha, é definida a otimização dos elementos básicos:

  • Title;
  •  Meta Description;
  • URL;
  •  Heading Tags;
  • Anchor-text de links internos.
modelo de planejamento de palavras-chave a serem aplicadas na otimizacao do ecommerce

Já no Doc On-page é onde a otimização do conteúdo é definida:

 

  • Textos de apoio;
  • Descrição de produtos;
  • FAQs;
  • Otimização de imagens.

 

Melhores Práticas de Otimização de Imagens 

Imagens são essenciais para o conteúdo da página e têm uma importante contribuição para a experiência do usuário, especialmente para o consumidor online, que se baseia muito em imagens para tomar suas decisões de compra. Por isso, otimizá-las é uma das tarefas mais relevantes do SEO para E-commerce.

A intenção da otimização de imagens é ajudar o Googlebot a compreender o que aquela imagem representa, já que nem sempre o robô é capaz de compreender entendê-las sem a ajuda de textos e códigos.

Então, é importante que as otimizações tragam textos e palavras descritivas sobre as imagens, além das keywords (e suas variáveis) para as quais você deseja rankear.

Estes são os principais elementos de otimização de imagens:

  • Nome do arquivo;
  • Atributos Alt e Title;
  • Tag figcaption (usada para compilar a legenda da foto);
  • Textos próximos da imagem;
  • Dados estruturados de imagens.

 

Modelos de otimização de páginas de categorias e produtos

A seguir, trouxemos alguns modelos de otimização de páginas da categorias de produtos, com seus principais elementos: heading tags, conteúdo de apoio e elementos de navegação.

modelo a ser seguido de otimização de página de produto do SEO para ecommerce
modelo de otimizacao correta para pagina de produto

Blog para E-commerce é importante?

Extremamente essencial. Além de gerar tráfego para a loja virtual, um blog ajuda a construir autoridade, gerar reconhecimento de marca e contribuir para as estratégias de links internos e externos.

A maioria das plataformas não permite criar um blog em um diretório (www.exemplo.com/blog). Mas não se preocupe: em um subdomínio (blog.exemplo.com), os benefícios são praticamente os mesmos. John Mueller, especialista do Google, já explicou que o buscador trata diretórios e subdomínios da mesma forma, em termos de SEO.

O importante é definir uma estratégia focada em ajudar o consumidor a resolver problemas e responder às suas intenções de busca. Assim, depois que o consumidor ler um artigo do seu blog, ele vai sentir confiança na sua marca e navegar por outras páginas do site até chegar nos seus produtos.

 

Topical Authority

Topical authority é uma das principais tendências de SEO. Cada vez mais, o algoritmo do Google valoriza sites que cobrem um tópico com autoridade. O buscador entende, assim, que o site domina aquele assunto e pode responder da melhor forma às dúvidas dos usuários.

Por isso, no blog do e-commerce, procure criar artigos que cubram todos os assuntos dentro de um determinado tópico. Quanto mais você escrever sobre um tópico, mais o Google entende que você é uma autoridade naquele tópico.

Mas é claro que não basta escrever apenas para ter volume de publicações. Todo artigo deve ter qualidade de escrita e responder a uma intenção de busca do usuário.

Além disso, eles precisam ser linkados entre si de forma estratégica, a fim de valorizar os principais artigos do tópico. Não esqueça também de otimizar o SEO on-page em cada artigo, com palavras-chave que são esperadas para cobrir aquele tópico.

 

Copywriting

Copywriting pode fazer toda a diferença na conversão do e-commerce. Você pode escrever textos informativos e educativos no blog, criar descrições completas para os produtos, mas é o copywriting que leva o consumidor a comprar.

Estamos falando de uma técnica de escrita voltada para a persuasão. Determinados termos, frases e chamadas podem mexer com as emoções das pessoas e fazê-las tomarem as atitudes que você gostaria.

Chamamos isso de gatilhos mentais, que são bastante usados no copywriting. O gatilho da escassez, por exemplo, explora aquela sensação de que vamos perder a oportunidade de aproveitar uma oferta, porque ela acaba em algumas horas. Esse tipo de gatilho pode estar presente na sua produção de conteúdo.

 

Vídeo para e-commerce

O consumo de vídeos tem aumentado ano a ano. Basta abrir as redes sociais e os buscadores para perceber como eles estão dominando os conteúdos da internet.

No Google, os vídeos também têm ganhado destaque. Quando o buscador entende que a dúvida do usuário é melhor respondida por meio de vídeos, é esse formato de conteúdo que o algoritmo vai priorizar. E, por isso, eles estão aparecendo cada vez mais nos resultados da busca.

Não por acaso, surgem mais e mais ferramentas para vídeos na internet. O Google, por exemplo, permite adicionar dados estruturados nas páginas de vídeo para indicar o formato do conteúdo e otimizar sua exibição na SERP. Já a plataforma e-Vidz pode ajudar você a criar vídeos por meio de tecnologias de inteligência artificial e machine learning.

Portanto, vale a pena se dedicar à produção e à otimização de vídeos para e-commerce. Você pode usá-los para complementar conteúdos do blog, fazer demonstrações de produtos, dar dicas de uso, fazer transmissões ao vivo e muito mais.

 

Conteúdo Gerado Pelo Usuário (UGC)

O conteúdo gerado pelo usuário (ou user-generated content) se refere às avaliações e comentários sobre produtos e respostas aos artigos do blog. Esse tipo de conteúdo é essencial para o SEO do seu e-commerce e para a experiência do consumidor digital.

Avaliações e comentários exercem influência direta na conversão. Produtos com boas avaliações vendem mais, porque os consumidores confiam no que outros clientes da loja têm a dizer — muito mais do que a própria loja falando de si mesma em seus posts e anúncios.

Além disso, cada avaliação e comentário conta como uma atualização e incentiva o Googlebot a voltar à página para rastrear e indexar o novo conteúdo. Ou seja, o UGC ajuda a terceirizar indiretamente a otimização das páginas de produtos.

Portanto, invista em uma ferramenta para coletar avaliações de produtos e crie estratégias para incentivá-las.

 

RESUMÃO DO BAZON

  • Classifique as palavras-chave com base na intenção busca;
  • Otimize os elementos básicos do on-page;
  •  Inclua conteúdo de apoio no topo das páginas de categorias;
  • Trabalhe dúvidas frequentes nas páginas de categorias;
  • Detalhe ao máximo as descrições de produtos;
  • Uma imagem vale mais que 1.000 palavras;
  • Crie um blog;
  • Produza artigos para cobrir um tópico completo;
  • Explore o copywriting para gerar conversões;
  • Invista em vídeos para e-commerce;
  • Incentive a produção de conteúdo pelos usuários.

 

Pilar 4:  Experiência do Usuário

A experiência do usuário (UX ou user experience) é o foco do Google. O buscador quer que os sites otimizem suas páginas primeiramente para as pessoas, não para os robôs.

E o Google sabe quando isso é bem feito, já que as métricas de engajamento passam pelas análises do algoritmo. Quando os usuários interagem com uma página, encontram o que gostariam e realizam o seu objetivo, o buscador entende que o site ofereceu uma boa UX e merece uma boa posição no ranking. Isso tende a ser um fator de ranqueamento cada vez mais importante.

O Guia de SEO para Iniciantes do Google, que é uma referência para os profissionais de SEO e já existe há anos, mostra que não é de hoje que o buscador valoriza UX:

“Você precisa criar seu site para beneficiar os usuários, e otimizar para cada vez mais melhorar a experiência deles. Um desses usuários é o mecanismo de pesquisa, que ajuda outros usuários a descobrir seu conteúdo. Com SEO, você ajuda esses mecanismos de pesquisa a entender e apresentar seu conteúdo.”

 

Page Experience

Nos últimos anos, as informações a respeito da influência de UX no posicionamento orgânico ficaram mais claras. Em maio de 2021, o Page Experience do Google, que reúne uma série de fatores de ranqueamento sobre a experiência na página, entrou em vigor.

 

tabela de importância do core web vitals

 

Fonte: Developers Google

 

A intenção do novo algoritmo é medir a qualidade da página levando em consideração carregamento, usabilidade, segurança e acessibilidade.

No caso da Acessibilidade é preciso ir um pouco mais além do que garantir que o CLS (cumulative layout shift) fique abaixo de 0,1.

Dê atenção ao report do Lighthouse e considere trabalhar com ferramentas como Accessibe, que ajustam a acessibilidade do sua loja virtual de forma automática utilizando machine learning.

print da tela da ferramenta de acessibilidade

Do ponto de vista da usabilidade dois pontos são muito importantes, a arquitetura de informação e a usabilidade mobile.

Para otimizar a arquitetura da informação, organize a sua loja por meio de categorias e subcategorias e procure evitar muitos subníveis. Mas não se apegue tanto à regra dos 3 cliques, que diz que esse é o número ideal para o usuário chegar ao seu objetivo no site. O importante é organizar a arquitetura de forma clara e objetiva.

modelo de arquitetura correta de um ecommerce bem estruturado

Em relação à usabilidade mobile, pense mobile-first. É bem provável que seu e-commerce já esteja no Mobile First Index e que só o Googlebot-smartphone esteja rastreando seu site.

O que isso quer dizer? Que a versão mobile das páginas do seu e-commerce é o que importa mais para o Google.

Portanto, garanta que as páginas carreguem sem erros de usabilidade em dispositivos móveis e não sacrifique elementos do desktop para o mobile. Um exemplo são os breadcrumbs, que normalmente são ocultados nas versões mobile. Isso prejudica a usabilidade e a rastreabilidade.

Portanto, pense primeiramente na criação e no desenvolvimento do site para os dispositivos móveis. Para garantir que a versão mobile esteja igual ou melhor otimizada que o desktop, utilize a mobile-first index tool da Merkle.

 

UX Writing

Outro elemento importante da experiência do usuário é o UX Writing. Trata-se de um conjunto de técnicas de redação focadas na experiência do usuário.

Pode parecer que o profissional UX Writer é responsável apenas por escrever e revisar textos. Mas é sua tarefa também definir guias de escrita, hierarquia de informações e palavras-chave, que gerem a melhor experiência de leitura ao visitante.

Cabe a esse profissional acompanhar toda a criação e o desenvolvimento do site, ao lado de designers e programadores. A intenção é garantir uma experiência positiva em todos os elementos do site, passando pelos códigos, imagens e palavras.

 

RESUMÃO DO BAZON

  • Pense Mobile First
  • Otimize as Core Web Vitals
  • Foque no Page Experience como um todo
  • Reduza ainda mais o tempo de carregamento
  • Garanta que a versão mobile é a melhor otimizada
  • Organize a arquitetura de informação evitando muitos subníveis
  • Acessibilidade é primordial

 

Pilar 5: Autoridade de Popularidade

No pilar de Autoridade e Popularidade, é importante que você trabalhe o reconhecimento e a presença online da sua marca. Esses fatores influenciam indiretamente a escalada ao topo do Google.

Neste pilar, a construção de link building, por meio da conquista de links externos (backlinks) para o site é a estratégia primordial, mas é necessário também cuidar das diretrizes de E.A.T. (expertise, authoritativeness e trustworthiness).

No link building para e-commerce, geralmente, é mais difícil conseguir backlinks para páginas de categorias e produtos. Isso acontece porque as pessoas e outros sites da web costumam criar links para páginas informativas, que ajudam a resolver alguma dúvida ou agregam algum conhecimento.

Por isso, vale a pena usar uma técnica chamada de Middle Man Strategy. Ela consiste em criar um ativo linkável, para onde os links externos devem ser apontados. Nessa página, então, devem ser criados links para as páginas de categorias e produtos que você deseja ranquear.

O ativo linkável — que pode ser um post de blog, um infográfico ou um guest post, por exemplo — é o “middle man”, ou seja, o intermediário que leva os usuários até a página principal. Perceba, portanto, que é aqui que o blog ganha ainda mais importância na estratégia de SEO para e-commerce.

Precisando construir links de qualidade para sua loja virtual? Fale com um de nossos especialistas em link building.

Digital PR

Mo Middle Man Strategy, você também pode explorar a troca de links com parceiros comerciais e fornecedores. Para isso, é importante investir em Digital PR, que são as estratégias de relações públicas voltadas para o universo digital.

O Digital PR consiste em criar um relacionamento positivo com players estratégicos do mercado. O Google entende que as suas companhias dizem muito sobre a sua reputação. Então, construir parcerias de link building com marcas confiáveis e populares tende a valorizar seu site nos resultados da busca.

Mas não abuse dessa estratégia, já que isso pode levar a penalizações se você ganhar muitos links de apenas um site em um curto espaço de tempo. O Google pode desconfiar que seja black hat. O importante é diversificar: não coloque todos os seus links em uma única cesta.

 

Atenção ao E.A.T.

E.A.T. é a sigla para Expertise, Autoridade (Authoritativeness) e Confiabilidade (Thrustworthiness). Essas palavras se tornaram norteadoras para os profissionais de SEO desde que passaram a constar no Search Quality Rater’s Guidelines.

Esse documento define as diretrizes que os avaliadores da qualidade da busca do Google devem seguir. Para o buscador, os conteúdos e sites que apresentam essas características podem ser considerados de qualidade.

Portanto, é uma orientação também para as estratégias de SEO: quanto mais expertise, autoridade e confiabilidade você demonstrar, mais chances a página tem de conquistar os primeiros lugares do Google.

RESUMÃO DO BAZON

  • Invista no posicionamento e presança online
  • Backlinks continuam sendo essenciais
  • Evite links para páginas de categorias e produtos
  • Demonstre que é autoridade em seu segmento
  • Garanta que sua loja passe confiabilidade
  • Mostre que é expert nos produtos que vende

 

Pilar 6: Monitoramento

“Contra dados não há argumentos.” (Bazon)

Chegar às primeiras posições orgânicas e gerar milhões de visitas: esse é o seu objetivo com o SEO? Saiba que isso não importa muito ou quase nada para a sua loja virtual.

No final das contas, o que importa são as transações, a taxa de conversão, o ticket médio e, acima de tudo, a receita proveniente do tráfego de pesquisa orgânica. É isso que você precisa monitorar para saber se o SEO para E-commerce está sendo efetivo.

Para monitorar tudo isso, existe uma ferramenta que é unanimidade: o Google Analytics (embora haja quem utilize outras ferramentas de web analytics, como o Adobe Analytics).

No Google Analytics, habilite os relatórios de e-commerce e configure o enhanced ecommerce, que são os relatórios avançados de comércio eletrônico, para obter dados ainda mais detalhados do comportamento de compra.

Crie dashboards com esses dados no Google Data Studio e monitore continuamente os principais indicadores de performance da sua loja virtual.

Fique de olho também no posicionamento das principais palavras-chave e no comportamento dos usuários que vêm da pesquisa orgânica. Afinal, sem posicionamento não há tráfego, e sem tráfego não há vendas.

Outra ferramenta importante para isso é o Google Search Console. Lá você pode também monitorar o posicionamento das palavras-chave, mas também monitorar erros de rastreamento e outros problemas que estejam afetando o desempenho do SEO.

RESUMÃO DO BAZON

  • Instale o Google Analytics
  • Habilite os relatórios de E-commerce no GA
  • Cadastre no Search Console
  • Foque nos KPIs mais importantes
  • Monitore a visibilidade orgânica
  • Gere dashboards e relatórios com o Google DataStudio

 

Ferramentas de SEO para E-commerce

Existem inúmeras ferramentas de SEO para E-commerce que vão ajudar a gerenciar e impulsionar suas estratégias. Elas servem para todas as etapas de otimização que já explicamos, desde a auditoria até o monitoramento.

Confira a seguir as principais ferramentas que o nosso Guia Fundamental de SEO para E-commerce indica para o seu trabalho:

 

Auditoria Técnica de SEO

 

Pesquisa de Palavras-chave

 

Páginas de resultados do Google

 

Otimização On-page

 

Content Marketing

 

Monitoramento e Relatórios

Por fim, é importante saber que Search Engine Optimization é um investimento, e os resultados não ocorrem da noite para o dia. O retorno geralmente ocorre após os seis primeiros meses de trabalho. Portanto, quanto antes você começar a otimizar sua loja virtual, melhor.

No SEO para E-commerce, é importante planejar as estratégias de acordo com as principais datas do varejo. Então, essas ações sazonais devem começar pelo menos três meses antes. As estratégias de otimização para o Dia das Mães, por exemplo, devem ser colocadas em prática no começo de fevereiro. Já as da Black Friday, no mais tardar em agosto. E por aí vai.

Esperamos que o nosso Guia Fundamental de SEO para E-commerce – Edição 2022 contribua para transformar a pesquisa orgânica do Google em um importante canal de vendas para seu e-commerce ou para a loja virtual dos seus clientes.

Compartilhe esta postagem
<i class="fab fa-facebook" aria-hidden="true"></i> Compartilhar no facebook
<i class="fab fa-linkedin" aria-hidden="true"></i> Compartilhar no linkedin
<i class="fab fa-twitter" aria-hidden="true"></i> Compartilhar no twitter
<i class="fas fa-envelope" aria-hidden="true"></i> Compartilhar no email

Sobre o Autor...

Felipe

Felipe

Felipe Bazon é CSO da Hedgehog Digital e um dos profissionais de SEO mais renomados do país com reconhecimento internacional. Em 2015 e 2020 foi eleito profissional do ano de SEO no Brasil. Além da vasta experiência operacional, é também orador regular em eventos como E-show, OME Expo, Des-Madrid, Digitalks, RD Summit e Brighton SEO.

Assine nossa newsletter hoje!

Deixe o seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Postagens Relacionadas

Quero receber novidades

As informações que você forneceu neste formulário permitirão que Hedgehog ocasionalmente entre em contato com você por e-mail sobre quaisquer produtos e serviços relacionados, como novos relatórios, recursos e conteúdo relevante de todo o nosso blog. Você pode cancelar a assinatura dessas comunicações a qualquer momento. Para obter informações sobre como cancelar a assinatura, bem como nossas práticas de privacidade e compromisso com a proteção de sua privacidade, consulte nossa política de privacidade.